A toi, Français, et manifestant pro-palestinien | Par David B.

 

palestina

Para você, Francês, e manifestante pro-palestino – por David B.

Você está comovido pela causa palestina e que te provoca tantas emoções.
Eu não me perguntarei por quê você escolheu esta causa em particular, ao invés ao da Síria, Congo, Darfour, ou ainda, a dos Cristãos que são perseguidos no Oriente Médio.
Os Palestinos viveram tantos sofrimentos, eles mereceriam viver normalmente, e eu posso compreender por quê se da vontade de « ficar » do lado deles.
Eu posso compreender estas afinidades tão repentinas em relação a uma outra cultura, pois eu mesmo tenho uma paixão por Nova-Iorque, depois de ter ido la na primeira vez ha 20 anos, e que esta paixão nunca mais me deixou. Desde então eu revi varias antigas fotos de Manhattan, e me perguntei de que maneira esta megalópole foi construída. Você sabia que foram os membros de uma tribo indígena que participaram à maioria das obras dos arranha-céus, pois eles não tinham vertigem ? Martin Scorcese me contou que existiam gangues comunitárias que se enfrentavam em 1846 e que a Mafia estava omnipresente nos anos 70 e 80 ? Woody Allen me falou disso, com a sua maneira emocional e engraçada… Enfim, eu tentei me instruir sobre o tema o qual tanto me interessava. Desde então, eu voltei varias vezes para la e até vivi alguns meses

Eu gostaria de saber em que momento o teu coração vacilou, em que momento você teve este « amor a primeira vista » por esta cultura palestina. Você, cujo modo de vida é tão diferente dos habitantes de Gaza. Talvez você sentiu uma atração por Gaza no momento em ter encontrado por acaso um antigo cartão postal?
É verdade que ha algum tempo, as praias de Gaza faziam sonhar, como tantos outros lugares no Oriente Médio. Talvez até mesmo você passou suas férias neste local e voltou apaixonado de como você foi calorosamente recebido pela população, suas tradições, seus sorrisos, e suas alegrias… seus salões de chá ou café… Você teria guardado em si mesmo, memorias de imagens, sons, odores, etc. Ou talvez, através das artes locais que os palestinos te mostraram, um museu que você visitou e que demonstrou bem a beleza de sua civilização
Alguém que teria ajudado a descobrir, através de belos livros em papel glacé, a Arte ancestral da Palestina, obras de artistas desaparecidos ha séculos atras, e cujos fragmentos foram deixados para sempre, ou ainda, cujas influências ainda se percebem em obras de artistas contemporâneos. Talvez você tenha presenciado vestígios arquitetônicos que te deixaram de boca aberta, antigas escrituras, gravuras…
Talvez você ficou apaixonado pela cultura local mas… se foi o caso, permita-me em ter algumas duvidas… pois, em primeiro lugar, nunca existiu nenhum museu palestino. Eles não teriam muita coisa a expor que tenha mais do que um século. Houve uma primeira tentativa que exposição de arte palestina, mas esta durou somente nove horas, durante a visita do papa no ultimo dia 25 de Maio. Apesar disto, a Autoridade Pelestina decidiu criar, especialmente para este evento, fazendo prova de propaganda e veiculando mensagens de desinformação, reescrevendo a Historia, graças a cumplicidade de seu melhor artista pintor : Photoshop.

O papa e sua comitiva, pouco apreciaram, creio eu. Mas não se preocupe, a Autoridade Palestina, começou a construir um verdadeiro museu, desta vez, próximo a Ramallah, o qual você poderá visitar quando as portas forem abertas para visitas outono próximo. Eu me pergunto de quando datarão as peças mais antigas.
Mas fechemos os parênteses pois, a Arte Moderna Palestina existe de fato, e mesmo se ele traz frequentemente uma mensagem de ordem politica, baseada na educação recebida pelos artistas, ela merece, como todo tipo de arte, de se expressar para que as pessoas (a quais, eu tenho certeza que você também fara parte) se interessarão, caso elas o desejarem.
Em que momento você mudou de ideia ? Em que momento o teu interesse se transformou em paixão e, em seguida, em compromisso ativo por esta causa ? Você veio por conta própria ou foi depois de ter ouvido a respeito dos palestinos nos jornais, os quais, é verdade, descrevem de maneira repetitiva, como vitimas, passando varias vezes as mesmas imagens insuportáveis, sem adicionar explicações em sua integridade ?

Ou seria um grupo de amigos, talvez muçulmanos, que te contaram sobre as « atrocidades cometidas pelos Israelenses » e que isso te revoltou ? Existiu bem uma faísca que incendiou a tua indignação. Manifestar não é uma coisa anodina. Neste momento, acontecem todos os sábados e, talvez participem em família, ou com amigos. Deve-se vestir as crianças, levar os carrinhos de crianças, escrever bandeirolas, fabricar painéis.. Isso deve consumir bastante energia. A causa pelestina deve ter uma grande importância aos teus olhos, por preferir fazer isso, do que passear com os filhos, viajar para o final de semana, almoçar fora de casa, ir à praia com as crianças, ou até mesmo ir ao cinema com a namorada..
Este teu profundo interesse por esta causa me leva a pensar que você conhece muito bem o tema. Mas sera que você se informou bem sobre o assunto antes de participar a estas manifestações? Se eu te perguntasse, por exemplo, coisas simples, tais como : Você pode me situar rapidamente num mapa aonde fica Gaza e Jericó? Você o faria sem hesitação ? Você poderia me citar também o nome de qualquer antigo Presidente da Palestina (cuidado, trata-se de uma pergunta-arapuca) ? Qual o nome da moeda utilizada atualmente pelos palestinos ? Você sabe quantos palestinos têm de um lado, e de árabes-israelenses de um outro, e porquê eles existem nos dois lados da cerca ? E por quê se fala sempre daqueles, mas nunca destes ? Eu também poderia te perguntar por quê, estranhamente, os Israelenses não matam os árabes que estão em Israel, mas unicamente aqueles que estão do outro lado.. (mas cuidado novamente, pois ai esta uma outra pergunta-arapuca). Bem, trata-se de perguntas simples, cujas respostas não são suficientemente claras para que possa-se emitir uma opinião bem argumentada…

Se eu decidisse em me interessar pelos palestinos, de reservar um espaço a eles no meu coração, inúmeras outras perguntas me viriam naturalmente em mente, e eu gostaria de encontrar as respostas. Eu gostaria de ter bons argumentos para os defender de uma maneira a mais eficiente possível. Primeiramente, eu teria ido me documentar sobre as origens deste conflito, procurando primeiramente sites internet de informação que sejam neutros. Iria procurar saber se tudo o que me contam é verdade, ou se alguns aspectos dos discursos que essas pessoas (mesmo se elas nunca terem posto os pés nesta região) me contam, tem partes contraditórias ou partes ainda obscuras, ou que possam vir contra os meus princípios de tolerância. Eu iria até mais longe, ao ponto de procurar saber quem são estas pessoas que têm estes discursos, qual o seu papel na sociedade, e quais são os seus interesses por me contar tudo isso… Eu teria até mesmo vontade de ir à Palestina, poder ir ao encontro de moradores de Israel e Gaza. Eu teria estabelecido o máximo possível de contatos, com quem eu teria abordado e tentado tirar minhas duvidas, através de minhas questões e curiosidades. Eu iria tentar me impregnar de seus universos do dia-a-dia para melhor entender as verdadeiras razões e causas de seus sofrimentos. Eu iria em seguida para Israel, tentar compreender porquê la, a vida é tão diferente, pois, de fato, ela é realmente diferente do que me contam aqui, na França.

Este conflito tem uma complexidade fora do comum; Trata-se de um verdadeiro saco de nós, que mesmo os maiores especialistas do mundo inteiro, tem dificuldade de compreender, e que ninguém, ha mais de cinqüenta anos encontrou uma solução. Grandes cérebros cheios de boa vontade ficaram frustrados apos terem consagrado grande parte de suas vidas, porém sem êxito. O painel nunca foi inteiramente branco ou preto, mas existem regiões cinzas que apareceram no decorrer do tempo. Você acredita realmente que as poucas estorias que te contaram sobre os Israelenses são suficientes para que você possa estabelecer uma ideia real do fundo deste problema ? Você sabe que não se faz regras com exemplos, e que, para cada exemplo que possam me dar, eu teria dez contra-exemplos para te citar em retorno ?

Mas, visivelmente, você não pensou a tudo isso. Você preferiu a solução da facilidade, escolhendo um partido e, continua caminhando em frente, porém com a cabeça abaixada. Você se contentou em escutar os outros , sem por em duvida o que te contaram, mesmo que voluntariamente, te mal-informaram e te mentiram. Não sei se é por ingenuidade, por medo, por mal-consciência da época da Argélia, ou simplesmente porquê você esta a procura de um hobby. Mas você se colocou do lado ruim do muro. Pois você é provavelmente de boa vontade, mas, em tomando parte de manifestações, da maneira que fez, ao lado de pessoas pouco recomendáveis, você não ajudou em nada os palestinos, muito pelo contrario. Estes militantes ganharam a aposta pela primeira vez, em interessando pessoas por uma causa, mesmo se esta não te diz respeito em absolutamente nada, e que os palestinos não são os muçulmanos que mais sofrem no Oriente Médio. Em seguida, eles conseguiram te convencer também com falsas informações, para te manipular, se aproveitando da sua sensibilidade. E, para terminar, eles conseguiram uma terceira vez, em te pegando como refém, contra a tua própria vontade, para que você desfile ao lado deles, quando, repentinamente, eles começam a agitar bandeiras terroristas, gritando slogans contra os Judeus. Os mesmos slogans que se ouviu nas ruas de Paris em 26 de Janeiro, este triste « Dia da Raiva (Jour de Colère)», aonde, pela primeira vez desde a segunda guerra, se ouvia « Morte aos Judeus » e « Judeus, caiam fora, a França não é de vocês », cantados por, não somente por pessoas de extrema direita, mas como também pessoas originarias da imigração, e isso, sem que ninguém fosse incomodada.

Você é contra o anti-semitismo ?
Muito bem, isso me reconforta. Então se eu te entendo bem, você não detesta os Judeus, mas você desfila ao lado daqueles que querem destruir o pais deles e que aprovam organizações que pedem o assassinato de seu povo, pouco importa aonde eles se encontram na face da Terra. Como você acha que os Judeus deveriam responder em relação a isso? O que você faria no lugar deles ?

Não seria ao lado destes alguns (centenas, como demonstrado no vídeo) extremistas / gentalhas e baderneiros com quem você estava desfilando, mas justamente com os outros ?

Além do mais, você não reparou que as bandeiras do Hamas, Hezbollah, e até mesmo do ISIS nunca saíram do cortejo e que, ninguém nunca os pediu para que eles baixassem e guardassem estas mesmas bandeiras? E quais eram mesmos os slogans que você estava cantando, do lado pacifico do cortejo ? « Viva Palestina, Palestina sobrevivera », « Palestina aos Palestinos ».. mas também « Nos somos todos Palestinos », « Israel Assassino », « Hollande, (o Presidente, não o pais » Assassino », alguns ainda, « Allahou Akbar », etc…
Você pensa que, dizendo « Palestina ao Palestinos », teus colegas estariam interpretando « Gaza e Jerico, que devem formar o futuro Estado Palestino, ou de toda a região situada do Jordão até o mar, que se chama Israel ? E o que eles insinuam então ao dizer o que iria acontecer com os Judeus que la vivem atualmente ? Aonde esta a mensagem de paz ? Você já assistiu a uma manifestação israelense para ver a diferença ? Para aonde foi o teu amor, a tua intenção inicial nisso tudo ??!!
Você quer realmente ajudar os Palestinos ? Então faça a si mesmo as boas perguntas ! Ponha em causa a utilidade do movimento BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções (contra Israel)) pois esta nova guerra de Gaza trouxe muitos novos aderentes, da mesma maneira que suas manifestações o trouxeram para a Marine Le Pen. Esse bom e velho BDS, para quem quer saber, tem dupla função : Para você, permite de descontrair o sentimento de injustiça, te dando assim a impressão de estar fazendo algo de bom, trazendo solidariedade aos palestinos. E, para nos, só nos serve de termômetro para medir o grau de antissemitismo. Graças a isso, nos permite de ter uma ideia do numero de pessoas que nos detesta, nos os Judeus.
O que faz realmente o BDS para a população palestina ? Eles chamam ao boicote contra as empresas israelenses, pensando atingirem assim a economia do pais. Mas, em que isso ajuda os palestinos ? Melhora seu dia-a-dia ? O BDS diz a seus membros que os palestinos estão muito contentes por poderem se vestir na loja H&M do centro comercial de Jerusalém ? Ele diz também que existe uma grande diferença entre boicotar os produtos originários de Israel e aqueles originários dos Territórios ? Ele explica que na empresa Soda Stream, os empregados árabes têm exatamente os mesmo salario e vantagens que os judeus, e que todos têm receio de perderem seus empregos caso a empresa fechasse suas portas por causa do boicote (sabendo que a empresa se abraça a tolerância e a paz ) ? Ao menos que ele não se contente em denunciar o patrão dizendo que ele explora esta mão-de-obra de uma maneira « escravagista » ? Pois não faz muito tempo, a BDS acusava Israel de ser um « Estado Apartheid », o que mudava um pouco dos habituais slogans « Estado opressor », « Ocupante », « Genocida », « Assassino »

Todas estas organizações, ou outras associações pro-palestinas, passam mais de tempo e energia, tentando demonizar Israel, do que a melhorar a qualidade de vida dos próprios pelestinos. Elas fazem exatamente a mesma coisa que o Hamas, elas utilizam a miséria de uns para que melhor odeiem os outros. Eles se concentraram sobre mensagens sobre Israel, ao invés de se focalizarem nos palestinos. E você, você esta jogando o mesmo joguinho que eles, defendendo suas idéias e apoiando suas ações. Para mim, você é vitima dos mesmos carrascos dos palestinos. Aqueles que te trouxeram para esta estoria, sabem muito bem o que lhes fazem, e seus planos são baseados em longo termo. Em te levando para a causa deles, você é utilizado como um peão e traem a tua confiança. Eles utilizam os teus sentimentos e tua compaixão para que seu ódio seja confortado. Eles se servem de você para veicular uma mensagem que você mesmo se interditaria de pensar. Pois tuas manifestações pro-palestinas são rapidamente transformadas em agrupamentos contra-israelenses, que são, por sua vez, facilmente propulsadas ao anti-semitismo e algumas vezes possam chegar até ao pogrom.
Eu poderia te falar bem de Israel durante horas, seja para tentar defende-lo, ou te convencer, mas você estaria ainda hermeticamente fechado sobre o meu discurso. Eu gostaria somente te dizer que ainda não esta tarde demais para mudar de ideia e passar para o lado dos que lutam pela liberdade, inclusive a tua própria. E muito rápido, até instantâneo, basta querer. Isto não te evitaria em ter compaixão aos palestinos e até ajuda-los, caso tenhas vontade. Mas informe-se sobre o assunto. Para começar, apenas te pergunte sobre esta causa em particular a qual te toca tanto, e tente responder com sinceridade a seguinte questão : Sera que eu amo os Palestinos mais do que eu detesto Israel ? E, em seguida, questione-se por quê.

 

Texte traduit du français au portugais par Sergio Esmeraldo. Texte Originale de David B.
Article paru dans Le Monde Juif Info, le 13 août 2014.
http://www.lemondejuif.info/…/toi-francais-manifestant…/

Anúncios

2 comentários sobre “A toi, Français, et manifestant pro-palestinien | Par David B.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s